Autoconhecimento - O Contraponto da Modernidade

Autor: J. S. Cardozo
Páginas: 199
Editora: Editar

Disponibilidade: Em estoque

Por R$39,90
Detalhes

Neste livro, o autor fala de sua experiência de ter trabalhado em uma empresa das mais exigentes do mundo, por um longo período de três décadas consecutivas e dos desafios de encontrar obra especializada que fornecesse dicas de como enfrentar o poder dentro e fora da empresa.

Reconhece que a intuição e o conhecimento até então empreendidos são deveras muito importantes, mas, às vezes, temos que pensar um pouco mais, agir um pouco mais, adentrar um pouco mais no campo do raciocínio lógico, para atender demandas imperativas, relacionadas, todas elas, com a subsistência positiva.

Os problemas e as demandas pessoais são muito parecidas e as reflexões da mesma forma.

A educação caseira e familiar fornece as bases para a vida em família, mas não responde às necessidades dos meios produtivos.

Em maior ou menor grau, sofremos a influência do meio em que vivemos e da personalidade e do comportamento das pessoas que nos cercam.

Graças a isso, em grande parte, pode sobrevir a possibilidade de contrair epidemias psicológicas de depressão, medo e ansiedade, que podem comprometer a eficácia e o controle do seu próprio destino.

Outra questão a ser melhor avaliada diz respeito à cidadania, a distinção entre o efetivamente correto e o seu oposto: o errado. Sem identificar o erro, fica quase impossível corrigi-lo, ou na melhor das hipóteses, evitá-lo.

O mundo globalizado, a concentração de poderes, a expansão ampla e livre em todas as direções, as vaidades humanas, as ambições pessoais, compõem um cenário incerto e preocupante e requerem que até mesmo as pessoas mais experientes ponham suas ‘‘barbas de molho’’.

Tendo vivido numa época de menos conforto, porém, de mais tranquilidade, o autor concentra suas atenções no unipessoal, no intrínseco, naquilo que você faz para o progresso de sua exclusiva individualidade. Pondera: se não for possível realizar tudo que planejamos, podemos, pelo menos, nos preservar.

Não somente em relação aos aspectos principais (trabalho, estudo, negócios, cuidados pessoais) como, também, aos aspectos teoricamente considerados menores (comida, habitação) e seus sucedâneos: moderação, equilíbrio e autoconfiança.

Como a sabedoria oriental prescreve, o que não for possível realizar nesta vida, terá que ser sublimado, para, quem sabe, oportunizá-lo em outras vidas.